30 Setembro

Levantamento: média de custo/hora dos centros cirúrgicos é de R$ 783

Apesar da redução drástica de cirurgias eletivas, canceladas durante período mais delicado da pandemia, a média de custo/hora dos centros cirúrgicos é de R$ 783, segundo indicadores do 1º Semestre de 2021 do levantamento realizado pela Planisa envolvendo 112 hospitais privados e públicos. O valor considerável ocorre porque, mesmo não sendo utilizada, trata-se de uma unidade de alto custo e, boa parte deste, fixo.

“Os custos fixos são aqueles cujo valor não altera quando se aumenta ou reduz a quantidade de volume dos serviços produzidos, ou seja, se mantêm mesmo que sem produção, envolvendo, por exemplo, infraestrutura, segurança ou iluminação”, explica o diretor de Serviços da Planisa e especialista em gestão de custos hospitalares, Marcelo Carnielo. “O custo fixo é um vilão na saúde em momentos de ‘sumiço’ de pacientes, como na pandemia. Menos pacientes significa maior custo unitário, maior número de atendimentos resulta em menor custo unitário”, completa.

Nos seis primeiros meses do ano, em 83 hospitais analisados – 75% deles realizaram menos de três cirurgias diárias por sala. A pandemia contribuiu para a situação, mas Carnielo pontua que há uma problemática no que diz respeito à ociosidade dos centros cirúrgicos, mesmo em cenário pré-Covid. Em pesquisa feita pela Planisa em 2019, com 110 hospitais, o número não foi muito diferente, com 3 procedimentos por sala, por dia.

“A ocupação do centro cirúrgico representa ainda um desafio na maioria dos hospitais brasileiros que, associado ao custo fixo alto destas unidades, geram fortes impactos nos custos de todos os procedimentos cirúrgicos, enquanto a receita contínua variável, um descompasso entre custos e receita no setor”, salienta.

O especialista lembra que os centros cirúrgicos possuem estruturas que dificultam ocupações mais robustas, uma vez que, ao contrário das unidades de internação, que são ocupadas regularmente, tanto no período diurno, quanto noturno, esses espaços raramente têm agendamento cirúrgico após as 19 horas. “Embora não tenha uma agenda fechada, o centro cirúrgico precisa manter pelo menos uma sala para atendimento de emergência, o que gera ociosidade, impactando na ocupação geral do centro cirúrgico”, fala.

Outra questão ressaltada por Carnielo que impacta na produtividade dos centros cirúrgicos, em cenário estável, são os cancelamentos de procedimentos. “Quando isso ocorre, estas salas ficam montadas aguardando pelo paciente e somente depois de algum tempo é que a comunicação de suspensão da cirurgia é feita, trazendo custos adicionais à instituição e causando transtornos, tanto para os pacientes, quanto para os profissionais envolvidos”, salienta.

Para Carnielo, é preciso ações efetivas para diminuir o custo assistencial. “Uma alternativa é a elaboração de um mapa cirúrgico bem dimensionado, visando a adequada administração nos intervalos de utilização das salas. Com esse planejamento, é possível diminuir o tempo de ociosidade das salas cirúrgicas; melhorar a administração dos intervalos de utilização das salas, acarretando a diminuição dos atrasos; possibilitar uma maior flexibilidade na agenda dos cirurgiões e diminuir o tempo médio de dias de internação, tendo em vista a facilidade de realizar o remanejamento das cirurgias quando for necessário”, lista.

Além disso, parcerias com clínicas também é uma medida, permitindo a ocupação nos horários em que as salas de cirurgia ficam desocupadas, além de bonificação da equipe médica para os horários de baixa utilização ou até a diminuição de salas cirúrgicas, ajustando a relação oferta versus demanda. “Defendo a ideia de que o custo hospitalar deve ser visto como variável ao longo do tempo, sempre com olhar na relação oferta versus demanda. Não faz o menor sentido, salvo raras exceções, um hospital se manter ocioso ao longo do tempo. Este é o maior desperdício do setor saúde brasileiro”, conclui.

Indicadores

Os indicadores da Planisa são provenientes da ferramenta KPIH (Key Performance Indicators for Health), pertencente à empresa e que, atualmente, é a maior plataforma de custos hospitalares da América Latina, com mais de 200 instituições de saúde ativas. A metodologia utilizada na apuração é padronizada, os dados são avaliados rigorosamente pela Central de Análise da consultoria e somente os indicadores validados são elegíveis para o painel.

Além destas informações, a publicação da Planisa oferece um conjunto de indicadores que podem colaborar na mensuração do crescente passivo assistencial provocado pela Covid-19.

 

Fonte: Medicina S/A

 
Ler 23 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Facebook

Parceiros

 
   

Contato

Sindessmat - Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Mato Grosso

Rua Barão de Melgaço, n° 2754

Edifício Work Tower - Sala 1301

Cuiabá - MT

Telefone: (65) 3623-0177
(Administrativo/Financeiro)

Email: diretoria@sindessmat.com.br

Sobre nós

O SINDESSMAT – Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Mato Grosso – conforme seu Estatuto, é constituído para fins de estudo, coordenação, proteção e representação legal da categoria dos estabelecimentos de serviços de saúde, dentro do estado de Mato Grosso.