06 Setembro

Projeto que visa a Segurança do Paciente cresce 76% em número de hospitais

O Programa “Saúde em Nossas Mãos – Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil” inicia seu novo triênio (2021-2023) com 204 hospitais participantes, representando um aumento de 76% em comparação com o triênio passado e espera reduzir em 30% as Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) em um período de 24 meses. O Saúde em Nossas Mãos é um projeto do Ministério da Saúde, por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS) conduzido de maneira colaborativa entre os seis hospitais participantes, em parceria com o Institute for Healthcare Improvement (IHI), sendo esses responsáveis pela implementação de práticas de prevenção a essas infecções no SUS.

Para Adriana Teixeira, diretora do Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência (DAHU/SAES) do Ministério da Saúde, o resultado da primeira fase do projeto foi surpreendente. “Assumimos o compromisso de apoiar as Unidades de Terapia Intensiva (UTI) do SUS de todo o Brasil para reduzir as infecções relacionadas à assistência e os hospitais superaram a meta. Isso só foi possível pela ousadia e parceria com os hospitais de excelência, que trabalharam durante três anos, utilizando uma metodologia colaborativa – todos ensinam e todos aprendem”. Adriana relata que, nesta nova fase, a estimativa é reduzir em 30% as infecções relacionadas à assistência em saúde.

De acordo com Guilherme Antônio Marques Buss, da Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde (GGTES), explica que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) coordena nacionalmente, desde 1999, as ações de prevenção e controle das IRAS. “Em parceria com o Ministério da Saúde, estados / DF, municípios, universidades e diversos outros colaboradores, a Anvisa apoia que iniciativas como o Projeto Saúde em Nossas Mãos sejam desenvolvidas com excelência para unirmos forças na luta contra as IRAS, resistência microbiana e surtos infecciosos, objetivando a segurança dos pacientes e a melhoria da qualidade dos serviços de saúde brasileiros.”

Para Claudia Garcia de Barros, coordenadora do projeto, a execução da iniciativa é essencial na prevenção dessas infecções as quais são preveníveis e, quando ocorrem, consomem muito recurso na Saúde. “Neste novo triênio, a expectativa é de impactar 7.785 leitos de UTI adulto, além de 17 UTI pediátricas e 7 UTI neonatais, a fim de torná-las ambientes mais seguros, onde todos buscam soluções para o melhor cuidado, evitando desperdício e dano na assistência”.

O Diretor de Relações Institucionais e Governamentais da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Arnaldo Bartalo Júnior, explica que o plano de melhorias é elaborado de acordo com a realidade de cada hospital participante com o intuito de otimizar os recursos já instalados, proporcionando a melhoria dos indicadores assistenciais. “A metodologia utilizada no projeto busca levar uma cultura de segurança para as organizações de saúde, o que consideramos um ponto importante dessa iniciativa, e mostra que estamos no caminho certo”, afirma ele.

Depoimentos dos hospitais do Projeto Saúde em Nossas Mãos

As Unidades de Terapia Intensiva (UTI) são ambientes de risco onde dispositivos invasivos são necessários para a manutenção da vida. Alguns desses dispositivos, no entanto, podem aumentar a chance de infecções e riscos aos pacientes. No caso do Hospital Universitário Professor Edgard Santos, de Salvador (BA), que ingressou no primeiro triênio, algumas tentativas de melhoria voltadas a infecções hospitalares já haviam sido realizadas, mas não geraram resultados significativos. “Vimos no projeto uma oportunidade única de aumentar a segurança do paciente de forma permanente”, relata Monalisa Viana Sant’Anna, Chefe do Setor de Vigilância em Saúde e Segurança do Paciente do hospital.

Ainda ressalta que a alta liderança é fundamental para o sucesso do projeto. “Implementamos visitas mensais da alta liderança às UTIs do hospital, para que pudessem entender os desafios da equipe da linha de frente. No encontro, a equipe apresentava os indicadores e o que tem sido feito por meio do PDSA (um método iterativo de testar melhorias em quatro passos: planejar, executar e checar e agir) para a garantia dos resultados. A própria equipe é responsável por cobrar a alta gestão para que consigam manter os indicadores”, explica Monalisa.

Com a pandemia de Covid-19, o projeto teve que se adaptar e passou a fazer as reuniões via lives. “Pudemos consultar especialistas que atuam em hospitais de referência, como o Hcor – a troca de experiências é muito produtiva para encontrar soluções simples, mas muito efetivas”, completa Monalisa.

No caso do Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch de M’Boi Mirim, São Paulo (SP), que ingressou no novo triênio do projeto, a expectativa é melhorar os seus indicadores com relação às IRAS. “Fazer parte desse projeto será importante para aumentar a segurança de nossos pacientes por meio da troca de experiências”, afirma Lizzie Erthal, coordenadora da Divisão de Práticas Médicas e Assistenciais, Controle de Infecção, Qualidade & Segurança.

Resultados do Primeiro Triênio (2018-2020)

A iniciativa encerrou seu primeiro triênio de atuação no final de 2020, evitando 7.674 casos de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) em 116 hospitais públicos do país, gerando uma economia de R$ 354 milhões para o SUS em três anos.

A iniciativa alcançou 54% de redução do número de infecções adquiridas por pacientes internados em UTI, salvando 2.687 vidas entre os anos de 2018 e 2020. O objetivo era atuar na diminuição dos três principais tipos de IRAS:

Infecção Primária da Corrente Sanguínea Associada a Cateter Venoso Central (IPCSL), que apresentou diminuição de 46%.

Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV), que teve redução de 52%.

Infecção do Trato Urinário Associada a Cateter Vesical (ITU-AC), que apresentou baixa de 68%.

 

Fonte:  Medicina S/A

 
Ler 23 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Facebook

Parceiros

 
   

Contato

Sindessmat - Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Mato Grosso

Rua Barão de Melgaço, n° 2754

Edifício Work Tower - Sala 1301

Cuiabá - MT

Telefone: (65) 3623-0177
(Administrativo/Financeiro)

Email: diretoria@sindessmat.com.br

Sobre nós

O SINDESSMAT – Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Mato Grosso – conforme seu Estatuto, é constituído para fins de estudo, coordenação, proteção e representação legal da categoria dos estabelecimentos de serviços de saúde, dentro do estado de Mato Grosso.